BURACOS SEM FIM


Na Marechal Rondon, situação da via era degradante no meio da semana passada Foto: Vieira Neto

Vias degradantes causam stress e prejuízo entre os aracajuanos 
Responsável pela manutenção asfáltica de Aracaju, a Emurb põe culpa na gestão anterior e nas adversidades climáticas

Se sem chuva, a cidade de Aracaju já estava entupida de buracos, agora, imagine sem. A situação degradante das vias públicas da Capital está tirando a paciência da população aracajuana. A buraqueira está em todas as regiões. Difícil é achar uma rua que esteja com sua pavimentação em dia. Um verdadeiro pesadelo.

Na Marechal Rondon, situação da via era degradante no meio da semana passada
Foto: Vieira Neto

A Avenida Delmiro Gouveia; Francisco Moreira; Marechal Rondon, entre outras “N” ruas de Aracaju, são alguns exemplos de situação caótica. O prejuízo, claro, é inevitável. A borracheira Zuleide Aparecida, 48 anos, já perdeu as contas de quantos motoristas chegaram a sua borrac haria, nos últimos meses, para consertar roda empenada, pneu rasgado.

“Aumentar é pouco, duplicou, triplicou o número de buracos em Aracaju. Nunca vi tanto buraco na minha vida nessa cidade. Para mim, está sendo um lucro né. Mas não é por isso que vou deixar de reclamar”, afirma a borracheira Zuleide. Ela relata dramas vividos até por parentes.

“CULPA DE JOÃO”
“Minha cunhada junto com o marido caiu num buraco de moto e se arrebentou toda, um dia desses”, afirma Zuleide. Na opinião dela, tapar as irregularidades das pistas da cidade não é a solução, de forma alguma. “Tem que recapear tudo. De um ano e meio, dois anos para cá, as vias de Aracaju estão ruins demais”, diz.

Procurada, a Empresa Municipal de Obras e Urbanização – Emurb -, responsável pela manutenção das vias púbicas de Aracaju -, se manifestou por meio da Assessoria de Comunicação que enviou nota à Redação do Cinform. O órgão coloca boa parte da culpa na gestão anterior.

“O parque de produção e operações da Emurb foi encontrado comprometido, Usina de Asfalto desativada, tendo inclusive que adquirir de outros Municípios o Concreto Betuminoso Usinado a Quente, que se trata de um dos tipos de revestimentos mais utilizados nas vias urbanas”, explica a nota.

PASSA CHUVA 
A Emurb ainda informa que a atual gestão encontrou equipes de rua em número bem inferior ao necessário; falta de material e problemas contratuais com empresas prestadoras de serviços e salários atrasados. Mas: “gradativamente, essas pendências foram superadas e hoje a realidade já é outra”, diz a nota.

Além de culpar a antiga gestão, a Emurb põe culpa na adversidade climática. “Neste ano, o inverno está mais rigoroso e as chuvas têm castigado ainda mais o estado danificado da malha viária. Além das chuvas, o pavimento passa por desgastes diários com o tráfego de aproximadamente 300 mil veículos, de acordo com dados do Departamento Nacional de Trânsito”, informa.

Mas o que interessa: quando Aracaju passará por um recapeamento asfáltico completo. “Consta no planejamento da Emurb um programa de recapeamento que contempla os corredores de trânsito e ruas com o pavimento danificado. Assim que o período chuvoso cessar, a Gestão Municipal pretende investir prioritariamente na malha viária da cidade”, afirma a Emurb.

Uma das piores situações das vias de Aracaju é na Avenida Marechal Rondon, sentido Universidade Federal de Sergipe – UFS – em frente à garagem da empresa Progresso. O ápice da degradação ali foi na semana passada, quando os motoristas enfrentaram um trânsito interminável para andar apenas poucos metros.

MARECHAL CAÓTICA
A biomédica Rafaela Tourinho, 24 anos, sabe bem disso. “A situação da Marechal Rondon é a pior possível. Além da demora de ficar parada no trânsito, fiquei pensando: ‘por que a Prefeitura de Aracaju nã o arrumou aquela avenida na segunda-feira, quando todo o transtorno começou?’”, indaga.

“Precisou passar quatro dias para arrumarem”, diz Rafaela. O percurso de sair do trabalho para ir para casa que a biomédica fazia em 15 minutos, agora, faz em uma hora e 30 minutos. “Pego todo o transtorno que começa na Avenida Desembargador e vai até a Progresso”, informa.

De acordo com a Emurb, responsável pela manutenção das vias púbicas de Aracaju, no caso da Avenida Marechal Rondon, na semana passada, foram tomadas algumas providências paliativas para minimizar. Mas por quais motivos só agora o órgão decidiu fazer algo?

Novamente, a Emurb põe culpa na adversidade climática. “Estrago (foi) causado por conta da chuva, do desgaste natural, do número de veículos que diariamente trafega pelo local com destino à UFS e ao complexo do Rosa Elze que faz parte do município de São Cristóvão”, informa um trecho da nota.

Previous Viva La Brasa
Next "DAQUI UNS CINCO ANOS, ACREDITO QUE VAI TER FACULDADE"

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *