Imagens e relíquias


O que católicos, espíritas e protestantes dizem sobre o uso de imagens e relíquias religiosas?

“A veneração das imagens faz parte da fé católica, por que vivemos em um novo tempo e em um novo testamento. É o tempo de Cristo. Não estamos mais no antigo testamento, em que se proibia a construção de imagens pelo fato de não haver uma referência da imagem do Deus vivo. Antes, Deus falava através dos patriarcas e dos profetas, mas não mostrava a sua face. Mas Cristo é a visibilidade de Deus Pai. Não adoramos as imagens, pois isso seria idolatria. Adoramos apenas ao Deus vivo. As imagens são representações de alguém que serve de modelo para nós. Nós guardamos o retrato de nossos pais não para adora-lo, mas por que ali está representado um modelo de virtude, pelo qual temos respeito e ca rinho. Da mesma forma, a Igreja venera as imagens pelo fato de representarem pessoas que foram exemplos de vivência da santidade e dos valores cristãos. O mesmo acontece com as relíquias: são objetos que pertenceram a uma dessas pessoas modelo. Eu, por exemplo, guardo a caneca em que meu pai tomava café, pois ela me faz ter contato com os ensinamentos que ele me passou. Ou seja: é um sacramento, ou sinal visível de algo que é muito profundo para nós”
Padre Waltervan Cruz
Mestre em Filosofia e doutor em Teologia

“O que nós, cristãos protestantes e evangélicos, pensamos sobre imagens de escultura é exatamente o que diz a palavra de Deus em diversas passagens. Aliás, não é um pensamento somente dos evangélicos. O Judaísmo e o Islamismo também observam em seus ritos a não utilização de imagens de escultura, pois isso é reprovado pela Torá e pelo Alcorão. Como um representante protestante, digo que respeitamos todas as religiões e seus cultos, mas, diante da luz da Bíblia, reprovamos a adoração, o culto e a própria feitura. Algumas pessoas dizem que não adoram a imagem de escultura, que só a respeitam, mas a escritura vai além. Até o artífice que faz é reprovado. Referências como o Salmo 115, Deuteronômio 27, Isaías 44, Levítico 26 e Atos dos Apóstolos 17 dizem que Deus reprova aquele que faz imagens de escultura. Não é uma visão evangélica, é que o nosso manual de prática é a Bíblia, e ela não concorda com a utilização de culto e adoração a essas imagens. Ela reprova até aquele que faz, por que o Criador, o Senhor, diz que não divide a glória dele com ninguém”
Pastor Zoar Assuero
Titular da Igreja do Evangelho Quadrangular

“Para nós, espíritas, a preocupação maior é a conscientização da reforma íntima moral. Como está escrito no Evangelho segundo o Espiritismo, “o verdadeiro espírita é aquele que se esforça por dominar suas más tendências”. É através do conhe cimento que vamos adquirindo o autoconhecimento, quando estamos dispostos a isso. Não cultuamos imagens nem amuletos, ou qualquer outro tipo de objeto, mas deixamos claro que respeitamos todos os cultos religiosos. Somos todos irmãos, filhos do mesmo Pai, e devemos sempre exercitar a caridade, fraternidade e o amor exemplificado por Jesus. Quando praticarmos o convite de Jesus “amai-vos uns aos outros como eu vos amei”, estaremos construindo um mundo com uma atmosfera diferente, pois habitará entre todos nós, independentemente de qualquer religião, raça e crença, o amor”
Geane Patrícia Paiva
Integrante do Grupo Espírita Trabalhadores do Bem e Casa de Oração André Luiz

Previous Juros do cartão de crédito voltam a subir e acendem o alerta entre consumidores
Next União entrega o Supremo Jardins