Existiria um PTV: Partido da Televisão?


Tiago: tem recebido convites e pode entrar na política

Apresentadores que são políticos ou que querem ser: será que a TV os ajuda a se eleger?

Anderson Christian

politica@cinform.com.br

“Quem não é visto, não é lembrado”. Essa máxima vale para quase todas as situações. Mas, na política, ela é quase que uma regra de ouro, uma vez que a atividade pública exige que as pessoas que estão em cargos eletivos ou não se mantenham na lembrança da população que, a cada dois anos, se transforma em eleitora dos políticos nossos de cada dia.

Assim sendo, será que há algum desequilíbrio entre candidatos que também são apresentadores de programas televisivos em relação àqueles que não possuem essa atividade em sua lida cotidiana?

“A legislação eleitoral proíbe a participação em período eleitoral justamente para evitar desequilíbrios. A lei define prazos que são entendidos como razoáveis, a legislação acha que é o suficiente para equilibrar o pleito”, diz Eunice Dantas, da Procuradoria Regional Eleitoral – PRE.

PÉ-PÉ-PÉ

Gilmar Carvalho, atualmente sem partido, é deputado estadual e, ainda que não diretamente, herda uma tradição que começou com o radialista Laércio Miranda, falecido em 2008. Laércio, nos anos 1980, quando, se envolveu na política, elegeu-se vereador e chegou a deputado estadual em 1990. Tudo muito fundamentado em sua atuação na Rádio Jornal.

Gilmar: está no mandato e buscará reeleição

Eleito suplente de deputado estadual em 2014, desde o início deste ano Gilmar é deputado de fato. Interessante é que ele está na televisão, no programa Cidade Alerta Sergipe, da TV Atalaia, desde 2016. Mas não acredita que isso seja decisivo no sucesso eleitoral. “O que dá vantagens ou desvantagens a qualquer um na política é o serviço que ele presta ou deixa de prestar”.

E Gilmar prossegue. “Se a TV fosse tão certeira assim numa eleição, qualquer apresentador e poderia ser governador e até presidente. A TV é apenas um instrumento. Dizer que só a TV elege, é um exagero. A TV e o rádio são excelentes instrumentos. É preciso saber que serviço você presta. E a população sabe discernir isso”, analisa Gilmar Carvalho.

“SOU DA COMUNICAÇÃO”

Outro integrante da TV Atalaia, apresentador do Balanço Geral Manhã, é o ex-prefeito de Socorro, Fábio Henrique. “Mas antes de ser político eu já era radialista. Sou da comunicação, com muito orgulho”, diz Fábio, que ainda exerce a função de secretário de Estado do Turismo. “Mas antes de assumir esse novo desafio, conversei com o governador (Jackson Barreto) e com o pessoal na TV. Tenho independência e faço questão de registrar que Jackson jamais pediu que eu mudasse nada em meu programa e na minha postura”, frisa Fábio Henrique.

Fábio: quer ajudar partido a chegar na Câmara Federal

De toda forma, Fábio não considera que há uma relação tão intensa entre apresentação de TV/quantidade de votos por uma razão que ele mesmo expõe. “No momento estou preocupado em fazer bem feito esse novo desafio profissional na comunicação e em deixar minha marca na secretaria de Turismo”.

Mas quando a pergunta é objetiva, ele não se esquiva: será candidato em 2018? “O meu partido, o PDT, precisa de candidaturas a deputado federal. Eu buscarei contribuir com minha candidatura também. Mas só discutirei política no ano que vem”, define Fábio.

NOVINHO

O outro personagem da reportagem é o apresentador Tiago Helcias, também da TV Atalaia, que comanda o Balanço Geral Tarde. “Olha, a televisão pode ser um impulso muito bom. Mas essa coisa da política tem que vir de fora para dentro, não pode ser apenas a vontade de ser candidato. Tem uma série de fatores”, avalia Tiago.

Tiago: tem recebido convites e pode entrar na política

Para ele, existem exemplos disso. “Bareta, na minha opinião, está entre os melhores apresentadores de TV do Estado. Mas, na política, não deu certo. Portanto, tem muito mais coisas para serem analisadas do que apenas considerar que, por star na TV, pode se candidatar e vai ganhar”. Mas estaria Tiago Helcias a ensaiar uma candidatura. “Não nego que os convites existem. E é como eu digo, tem que ser de fora para dentro. Lideranças comunitárias me falam que querem me apoiar numa eventual candidatura. E eu estou avaliando tudo isso, inclusive o cenário político, que indica que a população quer renovação. Mas vamos ver mais à frente”, diz Tiago.

Aliás, quanto a essa ligação entre política e TV, um outro grande apresentador e jornalista sergipano, que preferiu o anonimato, tem uma argumentação interessante para descolar a imagem de que quem é apresentador, ganha eleição e ponto. “A população quer um jornalismo que cobre, que investigue, que vá para cima do poder público. Não quer um jornalista que seja o próprio poder público. O povo sabe discernir muito bem isso”, revela o apresentador.

BARBAS DE MOLHO

Pelo sim, pelo não, vale o aviso para os apresentadores e para a população: a qualquer sinal de abuso do poder de um veículo de comunicação de massa e concessão pública, como são as emissoras de televisão, a punição pode vir por aí. Ou, como diria o citado Bareta: “a cana é dura”!

“A legislação impõe parâmetros, iguais para todo mundo. Mas nós analisamos caso a caso para saber se houve abuso. Já tivemos um caso, o do ex-prefeito de Capela, Sukita, que foi investigado e nós constatamos que houve, sim, abuso. E era no rádio, só que distribuía prêmios”, recorda a procuradora Eunice Dantas.

Para ela, tudo bem que os apresentadores sejam candidatos ou que os candidatos sejam apresentadores. “Nós vamos analisar caso a caso, sem nenhuma dúvida”, frisa Eunice Dantas. Portanto, senhores apresentadores, com a chegada de 2018, das eleições, saibam se portar diante da câmera, do microfone e, finalmente, diante de seus respectivos públicos. Porque, em caso de abuso, a PRE pode fazer de um “campeão de audiência”, um “campeão” de processos eleitorais.

 

Previous Assine o Cinform por WhatsApp. É grátis!
Next O tríplex de Lula de Cedro