Venezuela distribui coelhos para  matar a fome da população


Entrega de animais provocou onda de indignação nas redes sociais

“Vocês estão falando sério? […] Vocês pretendem que as pessoas comecem a criar coelhos para resolver o problema da fome no nosso país?”, perguntou o governador do Estado de Miranda e duas vezes candidato presidencial da oposição, Henrique Capriles.

Nicolás Maduro, o ‘presidente’ da Venezuela em um discurso na segunda-feira passada em cadeia nacional de rádio e televisão, anunciou o surpreendente Plano Coelho. Isso mesmo. Um projeto que incentiva a criação do animal em espaços urbanos para consumo humano.

Freddy Bernal, atual ministro da agricultura urbana, e responsável pelo projeto declarou sua insegurança no começo do Plano Coelho quando o país começou a distribuir coelhos em 15 comunidades populares da área metropolitana de Caracas. Mas qual foi a surpresa dele?

“Quando voltamos e as pessoas tinham os coelhos com um lacinho porque tinham adotado como animais de estimação”, Freddy Bernal.

Receba aí ministro.

Fredy: coelhos de estimação

Enquanto o povo passa perrengue sem alimentos e medicamentos, Maduro vai atribuindo a situação a um complô criado pelo ‘imperialismo e burguesia local’, e não à obstinação do regime ditatorial que extinguiu a base industrial da Venezuela com política de controles.

Desde 2013, a Venezuela enfrenta uma escassez crônica de bens de consumo básicos, principalmente alimentos e medicamentos, assim como de matérias-primas para a produção industrial. Enquanto o Governo atribui a situação a um complô criado pelo imperialismo e a burguesia local, os críticos atribuem a crise à obstinação do regime, que praticamente extinguiu a base industrial do país através de políticas de controles e expropriações.

 

Padrón: ‘cachorros serão os próximos?’

O poeta e autor de novelas Leonardo Padrón, ironizou em sua conta no Twitter: “Bernal diz que os coelhos não devem ser vistos como animais de estimação, mas como dois quilos de carne. Quanto tempo vai demorar para dizer o mesmo sobre os cachorros?”

Com informações do El País.

Previous Confiança perde para o São Bento e se complica.
Next O Câncer da propaganda enganosa. Clínica atenderá 20 pacientes por mês