Audiência com o SOS Emprego discute contratação de mão de obra local para construção da termoelétrica


Audiência foi realizada na Assembleia Legislativa

A Assembleia Legislativa recebeu uma audiência pública com o objetivo de discutir a contratação de mão de obra para a construção da Usina Termoelétrica Porto de Sergipe, no município de Barra dos Coqueiros. Centenas de trabalhadores participantes do Movimento SOS Emprego lotaram as galerias da Alese para acompanhar o ato que teve autoria dos deputados estaduais Georgeo Passos (PTC) e Moritos Matos (PROS).

A Usina, que está sendo construída pela Centrais Elétricas de Sergipe (Celse) deveria contratar 85% de mão de obra sergipana. Contudo, os representantes do Movimento SOS Emprego expuseram a grave situação do empreendimento, que tem preterido a contratação de trabalhadores locais e trazendo funcionários de outros Estados. No início deste mês, manifestações foram realizadas em frente ao empreendimento e que resultou em confronto com a polícia.

“A falta de emprego é um problema sério e que tem afetado muitos sergipanos. O que está em jogo é o sustento de várias famílias. O que estamos vendo é algo bem diferente do que o Governo vem divulgando. Sabemos que a maioria das pessoas que estão lá são de fora, ocupando vagas do trabalhador sergipano. Trabalhadores que tem como única arma as carteiras de trabalho e busca por seus direitos. Pais de família que só querem trabalhar”, afirmou Georgeo Passos, durante a audiência.

Presidida por Georgeo, a mesa foi formada pelos deputados Moritos Matos, Garibalde Mendonça (PMDB), vice-presidente da Mesa Diretoria da Alese, Pastor Antônio dos Santos (PSC), Jairo de Glória (PRB), Luciano Pimentel (PSB), a vereadora Pastora Salete, representando a Câmara da Barra dos Coqueiros, e os representantes do Movimento SOS Emprego, Fernandes Caetano e Clodoaldo Santos de Melo.

Também estiveram presentes o deputado estadual Capitão Samuel (PSL), representantes dos deputados Venâncio Fonseca (PP) e Maria Mendonça (PP), o vereador Elton Lima, de Rosário do Catete, a vereadora Grace Cristina, da Barra dos Coqueiros, e o advogado Isaac, membro da Comissão de Direitos Humanos da OAB. Apesar de convidadas, a Celse e a Secretaria de Estado da Indústria e Comércio não mandaram representantes para a audiência.

Indignação
Representante do SOS Emprego, Fernandes Caetano afirmou que a luta do movimento não é diretamente contra os trabalhadores vindo de outros Estados. “É contra empresários que colocam trabalhadores contra trabalhadores e o Governo que deixa seu próprio povo sem trabalho”, garantiu. Para Clodoaldo Santos, a situação é inadmissível.

“Se temos tudo em nossa mão, por que nos humilhar mendigando emprego? É uma vergonha para nós. Como é que tantos pais de família lutam por seus direitos e não são respeitados? Precisamos dessas vagas de emprego para defender o pão para os nossos filhos. Estamos fazendo um apelo para que olhem por nós”, pediu.

A vereadora Pastora Salete tem dado todo o suporte para o movimento e apoio as manifestações em frente ao canteiro de obras da termoelétrica. Para ele, o que vem acontecendo em Barra dos Coqueiros é vergonhoso. “Quando essa termoelétrica veio para ser instalada maravilhou a todos pela oportunidade de emprego. Mas, infelizmente, não estamos vendo isso. E tivemos que dar as mãos para lutar por uma coisa que é nossa. Não estamos mendigando nada”, assegurou.

Ao final do encontro, ficou definido que será formada uma comissão de parlamentares que deverá solicitar audiência com o governador Jackson Barreto pedindo diálogo na questão e levando a pauta do Movimento SOS Emprego. “O direito desses trabalhadores precisa ser respeitado. O Governo não pode apenas sentar com os empresários. Tem que sentar com os pais de família para ouvir o outro lado também”, garantiu Georgeo Passos.

Lojas chinesas são acusadas pelos Correios de realizarem manobras
Vendedor de frutas Dominguinhos é executado na avenida Maranhão

 

 

Previous Ministério Público Federal pede retenção de R$ 12 milhões das contas da Prefeitura
Next Caixa Econômica Federal cria campanha para clientes quitarem dividas