Rodoviária Velha de Aracaju é palco de 7 mortes em um mês


DCIM101MEDIADJI_0608.JPG

Segundo polícia, tráfico de drogas se instalou no local

Uma das regiões mais movimentadas da capital sergipana, o Terminal Rodoviário Governador Luiz Garcia (a Rodoviária Velha) vem chamando a atenção da população e das autoridades policiais pelo repentino aumento da violência. Segundo a Polícia Militar, nos últimos 30 dias sete pessoas foram assassinadas nas imediações da antiga rodoviária.

Junior Sales dos Santos (23), Everaldo Miguel da Silva Filho (16) e Alisson Gabriel Sena Santos (18) foram as três últimas vítimas no local. Segundo a polícia, na noite de sexta-feira (24), os três homens foram surpreendidos por criminosos em um veículo e foram mortos a tiros. Dois deles ainda foram atendidos por uma equipe do Samu, mas não resistiram.

Preocupado com a crescente violência na área da Praça João XXIII, região central de Aracaju, o 8º Batalhão da Polícia Militar vem mantendo policiais naquela área, além da realização de rondas e abordagens. Segundo o comandante do batalhão, Major Barbosa, a principal suspeita da PM para causa dos homicídios é briga pelo domínio do tráfico de drogas.

“De acordo com os levantamentos preliminares que as nossas guarnições fizeram na área, esses homicídios aconteceram em decorrência de conflitos de traficantes de drogas da região”, comenta.

No entanto, a Polícia Civil, através do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), é quem realiza as investigações dos sete assassinatos.

Naquela região estão localizados um terminal de integração urbano e suburbano, um terminal intermunicipal, praças de moto-táxi, de táxi legais e clandestinos, além da feira que ocupa uma faixa da Avenida Mamede Paes Mendonça e toda a rua lateral da Praça Paulo XXIII. Todo esse aglomerado urbano dificulta a ação da polícia, segundo o Major.

“Ali nós temos um complexo urbano complicado, além de uma iluminação precária, que facilita a ação de delinquentes e consumidores de drogas”, acrescenta.

RETIRADA DA FEIRA

Para a Empresa Municipal de Serviços Urbanos (Emsurb), a feira instalada nas proximidades do Terminal Rodoviário Luiz Garcia é clandestina. Durante a gestão do prefeito João Alves (DEM), a feira improvisada, que ficava próxima ao antigo prédio do INSS, também no centro da capital, foi transferida para a lateral do terminal rodoviário, ocupando uma das faixas da via com bancas e cobertura.

Segundo a Emsurb, estão sendo realizadas reuniões junto a Empresa Municipal de Obras e Urbanização (Emurb), Guarda Municipal de Aracaju, Secretaria de Segurança Pública, Energisa e Secretaria de Infraestrutura, com o objetivo de retirar a feira daquele local. “A intenção da Emsurb e da prefeitura é, mediante o cadastro que nós havíamos feito em setembro, iremos realocar alguns feirantes para os mercados centrais, mais precisamente para o Mercado Albano Franco, enquanto outros serão realocados para feiras de bairros com dias e horários pré-estabelecidos”.

Até segunda-feira (4), os feirantes donos das 150 barracas serão notificados a comparecer à sede da Emsurb para saber se irão para o Mercado Albano Franco ou para uma das feiras livres que acontecem em Aracaju com dias e horários pré-estabelecidos.

A Emsurb espera retirar a feira das imediações do terminal rodoviário até dezembro, mas a data ainda não foi divulgada. Dentre os motivos que aceleraram essa decisão está o aumento da violência, que também atingiu uma das feirantes, baleada na perna em novembro.

Mutirão do Limpa Nome começa nesta segunda-feira

CINFORM recebe denúncia de fraude no concurso do IFS

 

 

 

 

Anterior CINFORM recebe denúncia de fraude no concurso do IFS
Próximo Advogados pedem na justiça prisão do ex-presidente Collor