TRE alerta que anular voto não muda resultado eleitoral


Afirmações nas redes sociais de que abstenções
mudam processo das eleições não passam de boatos

 

Não é fácil achar um cidadão que esteja satisfeito com a situação política do Brasil. É possível notar em conversas do dia a dia, em postagens nas redes sociais, que a insatisfação é predominante. A elevada abstenção de 32,5% do eleitorado nas eleições municipais de 2016 já foi uma prova do estranhamento político entre os eleitores e os candidatos que os representam em Sergipe.

Há uma grande parcela de eleitores, inclusive, que está disposta a anular seu voto em sinal de protesto contra o que os políticos brasileiros estão fazendo ao país.  No entanto, o coordenador das eleições do Tribunal Regional Eleitoral em Sergipe, Marcelo Gerard, faz um alerta a esse respeito. Mesmo que ocorra um número elevado de votos brancos e nulos, demonstrando o descontentamento da população em relação aos candidatos sobre o sistema democrático e a realidade do país, o resultado das eleições não muda, apesar de boatos disseminados na rede social afirmarem o contrário. “Independe a quantidade de votos brancos e nulos para o resultado da eleição. A escolha dos candidatos é definida apenas por votos válidos”, adverte.

Com o anúncio das pré-candidaturas dos possíveis concorrentes nas eleições de 2018, a população começa a pensar novamente em quem pretende votar. O coordenador das eleições do Tribunal Regional Eleitoral de Sergipe (TRE-SE), Marcelo Gerard, explicou ao CINFORM como a Justiça Eleitoral vê o voto.

Michele de Oliveira

“A Justiça Eleitoral encara o voto como uma expressão da democracia. A importância do voto é justamente ter o sistema funcionando com legitimidade, e quem dá essa legitimidade a toda estrutura política do país é o voto”, destacou.

A Justiça Eleitoral realiza diversas campanhas de conscientização sobre o voto, como por exemplo, o Projeto Eleitor do Futuro, do TRE-SE, que visita escolas particulares e públicas com palestras sobre cidadania e eleições. “Nossa intenção é mostrar aos novos eleitores, aqueles que já estão na idade de fazer o primeiro título, a importância de votar escolhendo seu próprio candidato e não seguindo orientações de terceiros ou através de benesses que alguns candidatos oferecem de forma incorreta”, explica Marcelo, sobre as ações do TRE-SE.

Para o coordenador das eleições, a melhor maneira do povo demonstrar suas decisões é através da sua escolha na urna. “O voto é a manifestação pública do eleitor pelos caminhos que o país deve seguir”, destacou.

Porém a manifestação tem sido contrária ao que a Justiça Eleitoral espera pois, já nas eleições municipais de 2016, o número de abstenções, votos nulos e brancos chegou a 32,5 % do eleitorado brasileiro, uma demonstração da insatisfação popular.

Vereadora Emília Correia (PEN)

Michele de Oliveira é ambulante, trabalha em frente do Hospital de Urgência de Sergipe (Huse) e declara que nas próximas eleições não irá votar em nenhum candidato. “Eu não vou votar em ninguém porque todos são ladrões. Sai um e entra outro. Esses políticos têm que começar a fazer o certo, porque ou eles roubam o dinheiro das crianças na educação ou roubam o dinheiro da saúde”, declara a ambulante que afirma que estará presente nas eleições 2018, porém votará em branco.

Tal situação preocupa alguns políticos, como por exemplo a vereadora de Aracaju, Emilia Correia (PEN). “É uma das maiores preocupações que tenho hoje em termos de Brasil, não só como política, mas como cidadã. O que eu observo é o seguinte: existe uma camada dos votos no Brasil, estou falando em termos de Sergipe e Aracaju, que são votos compráveis, isso é fato! E os políticos que têm origem nessa linha da ação sabem disso.” Emília explica que aquele que deixa de votar dá espaço para que os votos comprados ganhem destaque na eleição.

 

Líder no Congresso denuncia campanhas antecipadas ao Governo de Sergipe

Cabo Amintas se diz inocente e acredita em absolvição no Tribunal do Júri

Anterior Líder no Congresso denuncia campanhas antecipadas ao Governo de Sergipe
Próximo MP pede afastamento de Adelson Filho. Julgamento vai ser quarta e Daniel Fortes pode assumir