Huse afirma que mortalidade na ala vermelha é só de 31%


Foto: CINFORM

Sindicato dos Enfermeiros sustenta denúncias
e diz ter provas que mortalidade é de 40%

Após denúncia do Sindicado dos Enfermeiros de Sergipe, publicada na edição anterior do jornal CINFORM,
de que 40% dos pacientes da ala vermelha do Hospital de Urgências de Sergipe (Huse) estariam morrendo sem assistência médica conveniente, decorrente da superlotação e da falta de infraestrutura adequada naquele
estabelecimento de saúde, a direção do hospital e a Secretaria de Estado da Saúde convocaram uma coletiva de imprensa, na semana passada, para contestar o teor da denúncia e informar que processarão na Justiça a presidente do Sindicato dos Enfermeiros, Shirley Morales, o próprio sindicato de classe, o jornal CINFORM e o jornalista César Gama, a quem acusam de divulgação de informações inverídicas.

A presidência do Sindicato dos Enfermeiros de Sergipe, no entanto, manteve o teor das denúncias que fez
ao CINFORM, garantindo ter as provas relacionadas às estatísticas de mortalidadena ala vermelha do Huse, que liberou ao jornal, além daquelas referentes à falta de infraestrutura adequada, provas que, por questões jurídicas, afirma não poder compartilhar no momento. Apesar de contestarem a estatística do Sindicato dos Enfermeiros, a diretoria do Huse e a Secretaria de Saúde apresentaram as taxas de 12% dos pacientes da ala vermelha morrendo nas primeiras 24 horas de internamento, e de 31% de óbitos depois de 24 horas de internação, naquilo que eles denominam de “morte institucional”, uma taxa de apenas 9% inferior à alegada pela entidade de classe dos enfermeiros. O responsável técnico pela ala vermelha do Hospital de Urgências, o médico cardiologista Renato Mesquita, argumentou que a taxa de mortalidade na ala vermelha decorreria principalmente do grave estado dos pacientes.

“A ala atende um paciente em que o perfil de mortalidade é alto tecnicamente falando. São pacientes que chegam muito doentes, às vezes com o diagnóstico atrasado. Nós atendemos pacientes que são transferidos do Interior de qualquer jeito, em uma ambulância sem o suporte devido”, ressalta.

Na referida ala, a internação do paciente deveria durar apenas algumas horas, até que o enfermo consiga uma vaga para ser transferido para uma UTI. No entanto a internação nesta ala tem durado, segundo a direção do hospital, 3 dias e meio, em média. Renato Mesquita admite a superlotação na ala que, segundo ele, tem atendido em torno de 24 pessoas, sendo que sua capacidade seria de 16 enfermos. Mas alega que, dentro das limitações, a equipe de médicos e enfermeiros consegue oferecer pelo menos o mínimo necessário ao tratamento dos que estão internados.

Gerente da ala garante que há tubos de aspiração para todos os pacientes

Ainda segundo o médico, a taxa de mortalidade por infecção hospitalar generalizada naquela ala tem sido de
30 a 40%, justificando que a média nacional estaria em 60%. A reportagem do CINFORM visitou a ala vermelha do Huse na tarde do dia 7, quando 21 pacientes estavam internados no local. O gerente da ala, o enfermeiro Luciano Lopes, informou que não há limite para os pacientes que são aceitos, gerando grande sobrecarga. Atualmente a ala crítica do hospital possui um maior número de profissionais que o recomendado, mas, para o gerente, esse número ainda não é suficiente em decorrência da grande demanda.

Luciano confirma a informação do Sindicato dos Enfermeiros de Sergipe, divulgada na edição anterior do CINFORM, de que frascos de aspiração de secreções estão sendo compartilhados entre os pacientes, mas argumenta que a Competência em Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) recomenda tal procedimento em condições de urgência, já que oferece um risco mínimo de contaminação aos pacientes. O gerente da ala vermelha informou ainda que apenas os frascos de aspiração têm sido divididos,
mas que os tubos que complementam o sistema são individuais, não podendo ser reutilizados, afirmando ainda que há uma quantidade suficiente para os enfermos.

“Não tem frasco para todo mundo. São 16 leitos com 16 frascos. O problema é que a gente tem uma média maior de vinte pacientes por dia, então é preciso dividir o frasco, procedimento que não oferece risco”, afirma.

SINDICATO RATIFICA DENÚNCIA

A presidente do Sindicato dos Enfermeiros do Estado de Sergipe, a enfermeira Shirley Morales, após ser informada que a Secretaria de Estado da Saúde a processaria e ao sindicato por conta da divulgação de estatísticas que seriam irreais no entendimento da diretoria do Huse, manteve o teor da denúncia que fez na semana passada ao CINFORM e acrescentou que tem provas das denúncias, que, no entanto, não podem ser divulgadas publicamente agora por questões jurídicas.

“As provas estão conosco e serão liberadas à Justiça. O importante é que a pressão que nós fazemos acaba surtindo efeito. Segundo me informaram, depois de todas as denúncias que fizemos, finalmente a situação
da ala vermelha melhorou”, revelou.

De acordo com informações do superintendente do hospital, Luís Eduardo Prado Correia, reformas estão sendo feitas no pronto socorro e na ala vermelha com o objetivo de aumentar o número de leitos. Na ala vermelha serão criados seis leitos, sendo dois deles de isolamento de contato, hoje inexistentes.

DEMORA NAS CIRURGIAS

Luís Eduardo Prado, que também é secretário adjunto da Secretaria do Estado da Saúde, esclarece que algumas cirurgias só podem ser feitas no Hospital de Cirurgia e que, com o fechamento daquela unidade devido à polêmica relacionada a dívidas e liberação de verbas por parte da Prefeitura de Aracaju, o Hospital de Urgência precisa
manter alguns pacientes internados até que sejam transferidos.

“Nós temos 105 pacientes que não deveriam estar internados no Huse. De acordo com o quadro clínico deles, deveriam ser operados no Hospital de Cirurgia, que é o hospital habilitado para realizar os procedimentos”, acrescentou.

No dia em que o superintendente do hospital conversou com a reportagem do CINFORM, 105 pacientes aguardavam
transferências, mas ao longo da semana foi anunciada a transferência de 55 deles para o Hospital Cirurgia. Entre os pacientes transferidos, 24 deles precisavam de cirurgia ortopédica, sete de cirurgia vascular, cinco de neurocirurgias,
nove precisavam de cirurgias cardíacas e outros dez de cirurgia geral.

 

Leia mais:

Violência no interior. Dois jovens são assassinados em Ribeirópolis

Jovem mata pai, que teria recusado reconhecimento de paternidade

Previous Violência no interior. Dois jovens são assassinados em Ribeirópolis
Next Feriadão violento no estado: IML recolheu 24 corpos