Dor na coluna é a principal causa de afastamento do trabalho


Fisioterapeuta Michel Santana explica causas das lesões e tratamento para dor lombar

Cerca de 12 mil pessoas estão aposentadas por invalidez em Sergipe de acordo com o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e segundo Ministério da Previdência Social, a dor na coluna é a principal causa de afastamento do trabalho. Essas dores são decorrentes da sobrecarga na região lombar pela permanência muito tempo em pé ou sentada de forma errada, o que acarreta em lesões na coluna vertebral ou nos discos intervertebrais, assim como fatores biopsicossociais.

“A fisioterapia tem sido um tratamento muito efetivo na grande maioria dos casos”, garante Michel Santana

“A dor lombar é considerada um problema de saúde pública em vários países pois é altamente prevalente, podendo atingir até 65% das pessoas anualmente e 84% das pessoas em algum momento da sua vida. Na maioria das vezes a dor lombar é inespecífica, aproximadamente 90% não apresenta causas graves. Nos casos mais específicos, 4% dos casos se referem a fraturas, 3% ao estreitamento do canal vertebral, 2% a doenças viscerais, 0,7% a tumores ou metástase e 0,01% a infecções”, explica o fisioterapeuta Michel Santana.

A dor lombar é a primeira condição de saúde que mais provoca anos vividos com incapacidade que qualquer outra no mundo, como por exemplo: diabetes, doença pulmonar obstrutiva crônica, depressão, osteoartrite, asma e dor cervical.

Em Sergipe foi evidenciado um número relevante de aposentados por invalidez decorrente de dor nas costas. “Aqui chegou a ocupar o 14º lugar no Brasil. A dor lombar tem uma história natural para sua melhora em até 3 meses, no entanto quando isso não acontece, aproximadamente 60% não melhora no período de 1 ano. Outro tratamento possível é a cirurgia, que é indicada e tem sucesso quando o paciente não obtém sucesso após 6 meses de tratamento conservador”, orienta Michel Santana.

Os principais objetivos da fisioterapia para o paciente com dor lombar são diminuir a dor, aumentar a flexibilidade e força e diminuir a tensão muscular. “As principais técnicas utilizadas são mobilização da coluna, alongamentos, exercícios de fortalecimento e liberação miofascial, vale a pena ressaltar que o mais importante é tratar a causa do problema para que com isso consigamos a resolução do quadro clinico do paciente. 86% dos pacientes que completaram o tratamento fisioterapêutico obtiveram ou substancial ou completa melhora”, finaliza o fisioterapeuta.

Michel Santana diz que apesar da lombar ser um problema de saúde pública tem tratamento

Michel alerta que no Brasil, assim como no mundo, o desfecho não é diferente, a dor lombar também provoca mais anos vividos com incapacidade, além disso a dor lombar idiopática foi a primeira causa de invalidez entre as aposentadorias previdenciárias e acidentárias em 2007. “Entre os beneficiários a maioria residiam em área urbana (99,8%), eram comerciários (96,9%), apresentaram maiores incidências entre os homens e entre as pessoas mais velhas”, reforça.

A dor lombar tem uma história natural para sua melhora em até 3 meses, no entanto quando isso não acontece.

“Boa parte dessas pessoas não apresentam melhora dos seus sintomas, aproximadamente 60% delas no período de 1 ano. Então torna-se necessário procurar tratamento, quando buscamos evidências para o uso de medicação 61% dos pacientes com dor lombar usam opióides e 19% usam a longo prazo, no entanto não é o suficiente para resolução do problema. Outro tratamento possível é a cirurgia, que é indicada e tem sucesso quando o paciente não obtém sucesso após 6 meses de tratamento conservador. Contudo a fisioterapia tem sido um tratamento muito efetivo na grande maioria dos casos”, finaliza.

Anterior Novo chocolate benéfico para o intestino
Próximo 19 de fevereiro é dia de Greve Geral