De 1968 a 2018: dois carnavais, um país e muitas inquietações


Após 50 anos, figuras da sociedade sergipana falam sobre o carnaval de 1968

 

Um país em crise, políticos sendo punidos, cassados, alguns até presos. Uma discussão intensa na sociedade sobre comportamento, liberdades individuais, sexuais e econômicas. Direita e esquerda em pleno combate pelo poder. E o carnaval “comendo no cento”, como diz a sabedoria popular. Estamos falando deste ano da graça de 2018? Não. Tudo o que se observa aqui diz respeito ao carnaval de 1968, um ano de intensidade em todos os campos e que terminou com o endurecimento da ditadura militar, a partir da publicação do Ato Institucional nº 5 (AI-5), que instalou, dentre outras coisas, a censura no Brasil. Mas será que aquele momento de 1968 foi tão diferente assim do que vivemos em 2018?

De toda forma, a tradicional festa fortalece a cultura e aquece a economia atraindo turistas de diversas regiões. Em Sergipe começou a ganhar força na década de 1930, mas foi em 1968 que os foliões curtiram o ‘último carnaval da liberdade’, antes da aprovação do AI-5, durante a ditadura militar, que tirou o brilho da festa nos anos posteriores, com a censura em um momento de grande contestação da política tradicional e dos costumes.

O historiador Edinaldo Roseno explica que o carnaval sempre foi o momento de diversão e liberdade, mas a ditadura militar trouxe a falta da democracia, supressão de direitos constitucionais, censura, perseguição política e repressão aos que eram contra o regime militar.

Prejuízo nas artes
“A ditadura foi um momento bem complicado e a arte ficou comprometida. Foi uma contradição com o significado do carnaval que é um reflexo das referências culturais dos povos que chegaram ao Brasil e se combinaram de variadas formas que se transformou em um produto original. Os sergipanos sentiram na pele a censura e foi um momento de rebeldia, ousadia e conquistas. O ano de 1968 foi marcado como um período de transformações sociais e políticas, uma época de contestação e rebeldia, que partia da juventude”, recorda. 50 anos depois, o legado de 68 está vivo e forte: nunca o movimento feminista, o gay e o negro foram tão atuantes. Ao mesmo tempo, nunca o movimento conservador foi tão despudorado.

Esse é o balanço que o escritor Zuenir Ventura, autor do best-seller “1968: o ano que não terminou”, faz daquele ano revolucionário e seu espólio. “Tivemos muitos avanços, principalmente na luta pelos direitos das mulheres, dos negros, dos gays; mas estamos vivendo um momento em que o conservadorismo perdeu a vergonha”, disse Ventura durante um bate papo com estudantes em Paris, neste ano.

“O radicalismo jovem expressou-se no lema ‘é proibido proibir’. Esse movimento, no Brasil, associou-se a um combate mais organizado contra o regime: intensificaram-se os protestos mais radicais, especialmente o dos universitários, contra a ditadura. Por outro lado, a linha dura dos militares providenciava instrumentos mais sofisticados e planejava ações mais rigorosas contra a oposição”, completa o historiador Roseno. 50 anos se passaram e o CINFORM conversou com personalidades sergipanas para recordar aquele carnaval histórico, marcado por muitas lutas, liberdade e rebeldia.

Aracaju
O jornalista Carlos França disse que foi um ano muito animado em Aracaju e os bailes ocorriam simultaneamente em diversos pontos. “A elite foi para a festa do Iate Clube, a classe média se reuniu nas programações da Associação Atlética, Cotiguiba e do Vasco, enquanto o povão curtiu esse carnaval no Clube do Trabalhador. A divisão existia mas todos festejavam usando máscaras e dançavam as marchinhas. Lembro das músicas da Emilinha Borba, que eram os hits daquele ano. As orquestras de frevo também eram muito animadas e os blocos de rua já eram tradição. Teve festa também no Palácio do Governo onde hoje é o Palácio Museu Olímpio Campos”.

França disse que as moças da época usavam máscaras e saiam disfarçadas escondidas dos pais para curtir o carnaval. “As meninas recatadas não podiam fazer muita coisa porque a sociedade cobrava uma pureza mas naquele ano elas já estavam lutando pela liberdade e saiam escondidas da casa dos pais fantasiadas usando máscaras e caretas. Elas namoravam durante a festa, mas não se identificavam”, explica. “Naquele ano era comum usar maconha, álcool e lança perfume nas festas. Era a combinação perfeita e era muito bom. Cigarro era charme. Mas o adolescente só participava com os pais. A festa era muito tranquila e não tinha violência, tinha gente que bebia tanto que acabava dormindo na rua mesmo”, diverte-se França.

Mas a folia não acabava depois dos bailes. Carlos França conta que a folia seguia no Cabaré de Tonho de Miramar. “Ele era homossexual, mas já havia conquistado seu espaço e respeito na sociedade. Quando os bailes acabavam, por volta da meia noite, os homens levavam suas esposas ou namoradas em casa e seguiam para o cabaré de Tonho e a festa era ainda mais animada com as mulheres da vida. Grandes empresários, políticos e até o governador frequentavam o cabaré”, garante.

Cabaré
O Cabaré de Tonho Miramar era localizado na Rua da Frente, no Centro de Aracaju e reunia a elite sergipana. A novidade do baile naquele carnaval foi a chegada da prostituta mais famosa da época: Candelária. “Cheguei de Pernambuco no ano anterior e estava louca para aproveitar o carnaval. Queria ver os blocos passando nas ruas com as orquestras de frevo mas fiquei muito triste porque as profissionais do sexo eram proibidas de sair do cabaré. A gente vivia lá em cárcere privado e não tinha o direito de sair para se divertir mas eu não aceitava e ia para a rua sim, mas não vi o carnaval de 1968. Depois desse ano passei a não gostar mais do carnaval”, lamenta Candelária que chegou em Aracaju aos 19 anos e agora tem 70.

Candelária disse que, apesar da frustração, aproveitou a noite no cabaré. “Era meu trabalho, mas era divertido. Dancei as marchinhas de carnaval e fui muito bem tratada pelo cliente daquela noite, era um homem muito influente e ofereceu o maior cachê da noite. Ele pediu ao garçom para me convidar para dançar e eu aceitei, depois passei a noite com ele, na mesa dos amigos, e passamos a noite juntos lá mesmo. Ele teve que pagar três vezes: para dançar, ter a minha companhia e para transar”, calcula.

O baile seguiu até por volta das 6h da manhã. “Os homens que frequentavam eram políticos, empresários e pessoas da alta sociedade, como comandantes do Exército. A noite foi regada a cuba livre, whisky, conhaque e lança-perfume. Os homens eram muito respeitosos e pagavam muito bem. O cabaré recebeu homens ricos até do Rio de Janeiro”.

“Eu achava um absurdo porque as mulheres da sociedade não podiam aproveitar a festa nas ruas, elas iam para os bailes nos clubes e não demoravam muito. O preconceito era muito grande e eu sempre fui ousada. Mesmo sem poder sair do cabaré, fui a farmácia, lojas e até a praia. Lembro uma vez que entrei numa loja e todas as mulheres saíram, mas elas pagavam fiado e eu pagava à vista. Outra vez fui passear na praia e fui presa por desacato a sociedade. Isso era uma rotina. Teve uma semana que fui presa três vezes, mas ninguém conseguia me manter em cárcere privado no cabaré”, orgulha-se.

Anos depois Candelária conseguiu comprar a sua casa e saiu do cabaré. “Nunca mais tive que me prostituir, mas sou grata as oportunidades. Com este dinheiro construí a minha família e dei estrutura para meus filhos estudarem. Não era fácil, mas dava para ganhar dinheiro rápido e eu era a mais cortejada da época. Tinha homens que faziam economia para transar comigo. Alguns deles ficavam tão ansiosos que no dia da transa brochavam. Não dava outra oportunidade, porque era o meu trabalho. Me apaixonei por um cliente, mas ele era casado. E alguns homens comprometidos também se apaixonaram por mim. Mas eu saia com quem pagasse mais. Tenho boas recordações das meninas e também do Tonho do Miramar, que era muito querido por nós”.

Simão Dias
O jornalista Amaral Cavalcante morava com a família em Simão Dias e conta que o carnaval de 68 no município foi muito tranquilo. “Todos se conhecem no interior e brincam juntos. O carnaval daquele ano foi muito calmo, não houve preocupação com segurança, todos estavam envolvidos com a magia da festa e em liberdade. O bloco de Sujos saiu nas ruas sem instrumentos musicais, os integrantes tocavam usando latas de goiabada. O frevo predominava e a farra era grande, com muita bebida. Teve um baile muito bonito no Clube Social Cayçara e durante o dia teve um bloco com homens vestidos de mulheres. As fantasias eram simples e tinha também as tradicionais caretas. Tudo era uma brincadeira”, lembra.

Mas a juventude ficou indignada com as proibições do governo federal daquele ano. “O presidente proibiu o uso do lança perfume e, ainda, que as mulheres usassem biquíni. Cheirar lança-perfume era a diversão da garotada. Meus pais compraram caixas para toda a família. A turma se reunia no clube, brincava o carnaval e cheirava. Sem lança-perfume, cadê meu carnaval?. Lembro das mulatas, soltinhas em batas de seda, que  exibiam transparências tão vibrantes quanto o carmim de papel celofane, que lhes incendiava as bochechas”.

São Cristóvão
O diretor teatral Erundino Prado disse que o carnaval em São Cristóvão ainda era muito tradicional mas naquele ano as mulheres começavam a ousar. “O carnaval foi concentrado na Praça da Igreja Matriz com desfiles de calhambeques com as moças compostas em cima imitando as francesas, com carros alegóricos, marchinhas e muito frevo. Teve também bailes em clubes. As moças começaram a sair de casa para participar da festa, antes eram proibidas e as que iam ficavam faladas, eram vistas como prostituta. Mas já existiam as mulheres à frente do seu tempo, que peitavam as famílias tradicionais que consideravam a festa profana. Esse ano foi um avanço porque as mulheres também começaram a ver os homens passando nas ruas fantasiados de careta, antes elas eram obrigadas a entrar para casa”, recorda.

Mas teve também um baile para as famílias tradicionais no Clube Recreativo Juvenil, que era mantido pela Igreja Católica. O baile foi organizado pelas freiras da Imaculada Conceição. “A festa começou quando a missa terminou. Foi o baile mais elitizado onde mulheres foram e ainda se vestiram de ciganas, columbinas e usaram máscaras. Mas era tudo muito respeitoso sem nudismo nem brilhos nas roupas”.

No domingo daquele ano teve o desfile do bloco Batucada pelas ruas da cidade histórica. “Todos acompanharam e usavam lança-perfume. Meu pai comprava para todos os meus irmãos. Os jovens também usavam álcool na festa. Serpentinas e confetes não podiam faltar. Lembro das marchinhas da Dalva de Oliveira, da Lana Bittencourt e Lucinha Fontes, que era sergipana. Foi um bloco pobre com tambor, caretas e mortalhas. Teve também o bloco Eu Só, que os homens se vestiam de mulher para brincar”.

Antes do carnaval teve um concurso para eleger a Miss e as princesas do carnaval, além do Rei Momo. “Eles ficaram ao lado das autoridades durante o carnaval e eram muito respeitados. As mulheres eram elegantes e usavam roupas longas sem brilho. Eu ficava ansioso para ver o desfile com meus amigos. Eu amei essa época”.

Itabaiana
A festa foi mais liberal em Itabaiana. A dona de casa Zoraide Maria de Oliveira, tinha 20 anos em 68 e conta que as mulheres eram mais ousadas. “Fui a primeira mulher a usar calça comprida em Sergipe. No início as pessoas estranhavam, mas não sofri preconceito”.

Dona Zoraide disse que os bailes foram realizados em clubes e que as mulheres participaram sem hora para voltar para casa. “A festa virou a madrugada e todos se divertiram muito usando fantasias e mortalhas, foi muito animado. O baile foi comandado por uma orquestra de frevo e atraiu muita gente de Aracaju. As pessoas chegavam felizes com confetes, serpentinas e bebidas”.

A professora aposentada Hilda Lima, que na época tinha 19 anos, disse que se fantasiou de cigana e saiu com os amigos em um grupo pelas ruas. “Os homens estavam de caretas e as mulheres de máscaras, compramos cachaça e lança-perfumes nos botequins e nos divertimos muito. Foi a primeira vez que beijei um rapaz e acabei dormindo com ele no mesmo dia. Minha mãe nunca soube e achou que casei virgem com ele, alguns meses depois”, diverte-se.

Hilda participou do concurso de beleza que elegeu a Miss do Carnaval. “Perdi, mas ganhei minha liberdade. Depois do concurso, passei a lutar pelos meus direitos e aos poucos fui conquistando respeito. Comecei a ensinar e eduquei meus alunos que não existia diferença entre homens, mulheres, negros e gays. E essa geração cresceu mais consciente e longe do preconceito. Esse carnaval foi libertador. O carnaval é considerado uma das festas populares mais animadas e representativas do mundo”.

Anterior Cid Natureza e Maysa Reis comemoram ascensão do carnaval em Sergipe
Próximo Creci-SE trará mais um curso de Avaliação de Imóveis