Polícia prende nove pessoas acusadas de vender carteiras de identidade


(Foto: Divulgação/ASN/Marcelle Cristinne)

Equipes do Complexo de Operações Policiais Especiais (Cope) cumpriram nove mandados de prisões temporárias e dez mandados de buscas domiciliares durante a Operação Fênix. Dentre presos estão seis servidores do Instituto de Identificação de Sergipe, um oficial da PM da reserva e dois autônomos.

São eles: Gilberto Rodrigues de Santana, 69 anos; José Marcelino Pereira Correia, 56 anos; José Raimundo Araújo do Nascimento, 54 anos; Gonçalo Bruno de Farias Rodrigues, 32 anos; Gildásio Góis, 50 anos; Servando Emílio Prado Cabrera, 61 anos; Josenides Rodrigues de Santana, 64 anos e Carlos Henrique Constantino dos Santos (vulgo “Kaká”), 51 anos.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública, as investigações começaram após o registro de várias carteiras de identidade feitas em Sergipe com criminosos que cometiam crimes como estelionato, fraudes no INSS, roubos de caixas eletrônicos e a bancos, homicídios e latrocínios dentro e fora do Estado. Ainda segundo a SSP, esses RGs eram ideologicamente falsos e eram vendidos pelo grupo.

Dentre os crimes revelados com a investigação, estão: uso de documento falso, peculato e estelionatos praticados por pessoas que recorriam à compra de carteiras de identidade ideologicamente falsas para a prática de fraudes, em especial, de benefícios previdenciários, além da corrupção ativa e passiva que envolvem as falsificações.

As investigações coordenadas pela delegada Mayra Moinhos duraram seis meses e culminaram na de hoje que contou com o apoio da Coordenadoria de Polícia Civil do Interior (Copci) e Complexo de Operações Especiais da PM (COE) para execução das ordens judiciais. Apesar de parte da ação ter acontecido dentro do Instituto de Identificação, no bairro Getúlio Vargas, o atendimento ao público não foi suspenso.

Previous PRF registra quatro acidentes nas últimas 24 horas
Next PSol organiza debate sobre Fafen