“Beba menos, beba melhor”


As cervejas artesanais permitem uma variedade maior de estilos (Fotos: Julia Freitas)

Cervejas artesanais transformam mercado e hábitos de consumo

 

O hábito de beber cerveja vem mudando nos últimos anos aqui no Brasil. Cada vez mais consumidores procuram bebidas com insumos de melhor qualidade e descobrindo estilos diferentes dos produzidos de forma massificada pelas grandes cervejarias.

Em Aracaju, essa mudança de hábito começou a pouco tempo, mas já tem transformado o mercado local. Estabelecimentos especializados foram abertos e outros passaram a vender também cervejas especiais, além disso, cervejarias locais começaram a ganhar o gosto do público e serem reconhecidas por isso.

Antônio Lima é sócio do Mestre Cervejeiro Aracaju

“Esse é um mercado relativamente novo no Brasil e em Aracaju é mais recente ainda. Quando abrimos a loja, há mais de dois anos, pouquíssimos estabelecimentos vendiam cervejas artesanais e nenhum era especializado. Mas esse é um mercado que vem crescendo no dia a dia, e outros estabelecimentos especializados abriram. Isso mostra que a procura por cervejas com uma qualidade melhor tem crescido”, comenta Antônio Lima, sócio da filial do Mestre Cervejeiro em Aracaju.

Marcel Menezes começou a distribuir cervejas artesanais brasileiras há três anos. Segundo ele, além de um aumento nas vendas, a procura por cervejas diferentes fez com que ele buscasse mais cervejarias para distribuir por aqui.

“Eu trabalho com distribuição há quase três anos e venho percebendo que as pessoas estão conhecendo a cerveja artesanal, descobrindo novos sabores e, consequentemente, aumentando o consumo. Em média, as vendas cresceram entre 40 e 50% ao ano. Eu comecei com três cervejarias e hoje já trabalho com oito. Na minha loja são 15 porque algumas não tem margem para distribuição”, comenta.

Com um número de consumidores crescendo cada vez mais, até mesmo as grandes cervejarias tiveram que se adequar. Cervejas do tipo puro malte fabricadas pelas grandes cervejarias nacionais vem ganhando cada vez mais espaço nas prateleiras dos supermercados, no lugar das produzidas com insumos mais baratos.

BEBA MELHOR

Por ter insumos de melhor qualidade, os consumidores logo percebem a diferença entre as artesanais e as “comuns”, e comemoram o aumento na oferta de cervejas artesanais na cidade.

“Ao beber uma cerveja artesanal, logo de cara, dá para notar a diferença nos insumos usados. Os sabores do malte e do lúpulo são muito mais aparentes do que em uma cerveja ‘normal’. É uma sensação bem mais agradável e é bom que mais estabelecimentos comercializem essas cervejas”, comenta o professor Lázaro Cruz.

Outro fator apontado pelos consumidores e cervejeiros é o fato de que a cerveja artesanal estimula um consumo de álcool mais consciente. Por ter mais sabor e um teor alcoólico mais alto, dificilmente alguém passa o dia inteiro bebendo ela, como é comum acontecer com as comuns.

“Beber cerveja artesanal é como beber um bom vinho. Algo que se faz com calma, para degustar, dificilmente bebo no intuito de me embriagar”, acrescenta Lázaro.

BEBA LOCAL

Além do aumento de pontos de venda de cervejas artesanais em muitos bairros de Aracaju, algumas cervejarias locais também começaram a se regularizarem. Isso porque todas as cervejarias precisam de licenças e de registro no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Fellipe Ferreira abriu a Cervejaria Uçá este ano

“Nós tínhamos um pequeno projeto no Calles. Fazíamos produções experimentais e pequenos eventos. E deu muito certo! Devido a boa aceitação do público, em 2016 começamos o projeto da cervejaria. Buscamos um espaço, tiramos todas as licenças e somente agora conseguimos abrir a fábrica”, comenta Fellipe Ferreira, sócio da Cervejaria Uçá.

Com a abertura da fábrica, novos estilos de cerveja começaram a ser produzidos. Além da India Pale Ale (IPA), primeiro rótulo da Uçá ainda no Calles, hoje são produzidas cervejas do tipo Pilsen, American Porter, New England IPA, Sour, Session IPA e Hop Lager.

Fellipe se diz surpreso com o público que tem frequentado a cervejaria. “Lá no Calles era quase sempre o mesmo público e o que vem aqui é totalmente diferente. Quando abrimos, esperávamos atingir primeiro o público que já consumia cervejas artesanais, para só então atingir o grande público. Mas aconteceu o contrário e isso foi uma surpresa pra mim”, comenta.

“BEBA FORA DA CAIXA”

Marcel Menezes é distribuidor e lojista de cerveja

Há cerca de um ano e meio, estabelecimentos e cervejarias locais, que naturalmente seriam concorrentes, decidiram se unir e realizar eventos para atrair mais público para a cena cervejeira local.

O “Beba fora da caixa” é uma parceria das cervejarias Uçá e Del Rei, e das lojas Caçuá, Mestre Cervejeiro, Sr. Brejeiro e Calango Beer para fazer com que o público aracajuano conheça a cultura cervejeira.

“Com a crise nos últimos anos, nós vimos uma queda no consumo das cervejas. Então pensamos em atrair o pessoal que não tinha o hábito de consumir cervejas artesanais. E a forma que encontramos foi organizando eventos com entradas muito baratas, bandas locais e oferecendo cerveja a um preço praticamente de custo”, lembra Fellipe Ferreira.

Previous Você sabe o que você come?
Next “Disputar o Senado é um ato de coragem”, diz pré-candidato do PSOL

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *