Forró Caju: músicos ainda não receberam cachê


MinC diz que liberou R$ 4 milhões para a Prefeitura de Aracaju realizar evento

A polêmica continua sobre o cachê dos artistas sergipanos que se apresentaram no Forró Caju deste ano que ainda não foi pago pela Prefeitura de Aracaju. A tradicional festa retornou sob o comando de dezenas de atrações locais e nacionais em um novo formato. Além da Praça de Eventos dos Mercados Centrais, o evento ocorreu simultaneamente em alguns bairros da capital. Em maio, o Ministério da Cultura (MinC) anunciou a liberação de R$ 4 milhões para a Prefeitura de Aracaju organizar os festejos juninos mas até agora os artistas sergipanos garantem que não receberam o cachê.

“Estamos revoltados porque o deputado André Moura fala que o dinheiro do Governo Federal está na conta da Prefeitura de Aracaju para pagar as despesas do Forró Caju mas até agora não recebemos nada. Nenhum artista sergipano que conseguiu participar da festa através do edital não recebeu nada. Muitos músicos que são pais de família estão passando necessidades e isso não é justo”, desabafa o músico Cebolinha do Forró.

O artista disse que os sergipanos financiaram o Forró Caju e estão passando dificuldades. “Para participar do edital que exige uma série de burocracias. Foi necessário conseguir uma grande documentação e fazer portifólios, tudo isso tem um custo e teve gente que fez tudo isso e não conseguiu entrar. Muitos pegaram dinheiro emprestado e não tem como pagar. Além disso tivemos que gastar com locação de veículos, instrumentos e até alimentação. Mas caímos em uma grande propaganda enganosa e exigimos o nosso cachê. Os artistas nacionais não passaram por isso e logo receberam o pagamento. Estamos tristes com essa situação”, lamenta.

Artistas sergipanos
O prefeito de Aracaju anunciou em maio que a festa retornou com o objetivo de manter a tradição e valorizar o artista sergipano. “Essa proposta de valorizar o artista local não ocorreu na pratica. Estão deixando os artistas passar necessidades. Não sei quem é culpado mas os músicos sergipanos devem se unir e não se sujeitar a passar por esse tipo de humilhação”, disse o músico Luiz Fontineli.

Esta edição do Forró Caju marcou o retorno de Elba Ramalho e a festa contou ainda com outras atrações nacionais como Joelma, Flávio José, Adelmário Coelho, Cavaleiros do Forró, Os Gonzagas, Luan Estilizado, Michel Teló, Alceu Valença e Samyra Show.

Entre os artistas sergipanos que se apresentaram no Forró Caju estão: Xande e Nanda, Cebolinha do Forró, Orquestra Sanfônica de Aracaju, Mestrinho, Cintura Fina, Antônio Carlos Du Aracaju, Patricia Polayne, João Da Passarada, Balança Eu, Danielzinho Quarto de Milha, Chiquinho do Além Mar, Sena, Lourinho do Acordeon, Farra de Barão, Edgard do Acordeon, Erivaldo de Carira, Zé Tramela, Calcinha Preta, Devinho Novaes, Zé Américo de Campo do Brito, Zé Rosendo e Marluce, Cobra Verde, Thais Nogueira, Trio Forróopção, Chicão da Praia, Joba Forró Rala Coxa, Silvano Prado, Amorosa, Rojão Diferente, Joseane Dy Josa, Candiero de Prata, Casaca de Couro, Os Brasas Nordestinos, Hpito, Pedrinho Mendonça Pífano de Pífano e Trio Dançando Xote.

Polêmica
O ministro da Cultura Sérgio Sá Leitão, esteve em Aracaju e comentou a liberação de R$ 4 milhões para a realização do Forró Caju, cujo convênio foi assinado no dia 30 e maio durante um evento na Rua de São João. “Os recursos servirão para bancar parte do Forró Caju, que é um evento com grande potencial de atração de turismo, e também o Forró nos Bairros, que expressa o quão potente é a festa junina e sua inserção comunitária e cultural na cidade. Estamos falando de atividades que são emblemas da cultura do Nordeste como um todo e por isso é importante para o Ministério fomentar e estimular algo com tanta relevância”, disse.

No mesmo dia, Edvaldo Nogueira destacou que os recursos conquistados junto ao Governo Federal foram fundamentais para a retomada da festa “em grande estilo”. “Serão seis dias de festa, que vão mexer com a economia, alavancar ainda mais o turismo na nossa cidade, colaborar para a geração de emprego e renda, sobretudo nesse momento de tanto desemprego e problemas no Brasil. O Forró Caju além de alegrar as pessoas, de mexer com as raízes culturais, também ajuda a alavancar a economia, por isso essa contribuição de R$ 4 milhões do Ministério da Cultura, com a ajuda do deputado André Moura, foi fundamental, uma vez que sem esses recursos, a gente não poderia fazer a festa”, anunciou.

Previous Wesley Safadão vai comandar mais uma edição do Garota White em Aracaju
Next Compartilhar vídeo pornográfico de terceiros agora é crime