MPE pede a cassação dos mandatos dos deputados Bosco Costa e Ibrain Monteiro


(Fotos: Divulgação)

Chega a seis o número de pedidos de perda do mandato e inelegibilidade
para candidatos eleitos no pleito de 2018

O Ministério Público Eleitoral (MP Eleitoral) ajuizou, nesta quarta-feira (19), as duas últimas ações de investigação judicial eleitoral (AIJE) das Eleições Gerais de 2018 e pediu a cassação do mandato dos deputados eleitos João Bosco Costa (PR) e Ibrain Silva Monteiro (PSC) por abuso de poder econômico. Se condenados, o deputado federal e o deputado estadual também podem ficar inelegíveis por oito anos.

Com essas duas ações, chega a seis o número de pedidos de perda do mandato e inelegibilidade para candidatos eleitos. Além dos processos contra Bosco Costa e Ibrain Monteiro, foi pedida a cassação do mandato do governador Belivaldo Chagas (PSD), dos deputados estaduais Maria Valdiná Almeida (PODEMOS) e Talysson Barbosa Costa (PR) e do deputado federal José Valdevan de Jesus Santos (PSC).

Bosco Costa

A ação contra o deputado federal eleito Bosco Costa se baseia em um parecer técnico do Tribunal Regional Eleitoral de Sergipe (TRE/SE) que apontou diversas irregularidades na prestação de contas da campanha do candidato. O desrespeito ao limite de gastos com locação de veículo foi apontada pelos técnicos do TRE como “falha grave”.

De acordo com o levantamento, o candidato gastou R$ 485.350 mil com locação de veículos, do montante total de R$ 2,09 milhões gastos na campanha. O limite legal para gastos com veículos é de 20%, e o candidato gastou quase 25% dos recursos de sua campanha com essa despesa.

A procuradora Regional Eleitoral Eunice Dantas explica que a maioria dos veículos não foi contratado com locadoras e sim, junto a pessoas físicas. Todas as locações tiveram o valor de R$ 4 mil, independentemente do período contratado e do ano e modelo do veículo. Para o MP, a locação dos veículos foi um artifício usado para desvio de recursos do fundo partidário e compra de apoio político.

Ibrain Monteiro

Segundo o MP Eleitoral, para promover o então candidato a deputado estadual Ibrain Monteiro foi usada a máquina administrativa da Prefeitura de Lagarto. O prefeito do município e pai do candidato, Valmir Monteiro (PSC), teria realizado durante o período eleitoral vários eventos e ações da prefeitura para projetar a candidatura de Ibrain.

O MPE também aponta que a gestão do município reforçou o uso da cor verde, a mesma usada na campanha do candidato a deputado. Segundo a Procuradora Regional, a identidade visual do programa Prefeitura Itinerante era verde, assim como a iluminação de evento promovido pela prefeitura, o Fórum de Saúde e o uniforme dos servidores foram confeccionados na mesma cor. “Foi claro o uso da cor verde para vincular a prefeitura de Lagarto com a campanha de Ibrain Monteiro, filho do prefeito”, destaca Eunice Dantas.

Na ação, o Ministério Público Eleitoral também demonstra o inteiro engajamento de Valmir Monteiro na campanha. “A prefeitura de Lagarto realizou vários eventos com a presença do então candidato Ibrain Monteiro em destaque, ao lado de seu pai, o prefeito do município”, aponta a procuradora regional eleitoral. “Ibrain usou eventos públicos como palanque, ocupando lugar de destaque, entre correligionários e possíveis eleitores, com a finalidade de receber visibilidade direcionada à campanha eleitoral. Valmir utilizou-se indevidamente dos atos oficiais da entidade municipal para publicizar apoio político ao descendente”, explica Eunice Dantas.

Previous Shopping Jardins amplia horário de funcionamento
Next Deputado federal eleito Valdevan Noventa será diplomado no presídio