O poder da imagem


Em tempos que a internet está cada vez mais inserida no dia a dia, através das redes sociais a imagem pessoal nunca foi tão importante. Desde a roupa que você veste ao tipo de postagens que você realiza uma pré-imagem pode ser criada para o bem ou para o mal.

Lucas Oliver, jornalista e personal branding

O Jornalista e Personal Branding, Lucas Oliver, explica o poder da imagem nos dias atuais. “A imagem pessoal é o bem mais importante que você possui. As redes sociais são uma extensão de quem você é, e as empresas sabem disso. E, essa explosão digital, nos faz criar hábitos e nos faz nos moldar. Afinal, sabemos que existem empresas nos observando diariamente. E manter uma boa imagem nas redes sociais é essencial e abre portas. Pois, quem não é visto não é lembrado. Essa importância de manter uma boa imagem traz alguns benefícios, pois torna o usuário como autoridade em seu nicho, cria um relacionamento bacana com o público, você é citado e lembrado por determinado assunto. ”, comenta.

Na hora de postar nas redes sociais é necessário ter alguns cuidados já que muitas empresas hoje verificam os perfis do profissional, como destaca Lucas Oliver. “Afinal, o que devemos ou não publicar? Confesso que é necessário um estudo profundo de cada indivíduo e de cada profissional, mas posso citar algumas que servem para os internautas. As suas redes sociais dizem muito sobre você, então, é necessário algum cuidado como publicações ofensivas ou que propague o preconceito. Evite postagens de bebidas ou que odeiam as segundas-feiras. Imagina, uma empresa visualizar as suas redes sociais! Afinal, as nossas redes sociais são o nosso currículo na internet”.

O personal branding dá alguns exemplos de o que pega mal na internet a depender da profissão. “Há empresas que vasculham as redes sociais antes de contratar um profissional, então, fique atento às fotos #sensuelen. Por exemplo, uma médica publicar fotos mais sensuais em seu perfil, lógico que o perfil é seu e você posta o que você quiser, mas estamos falando de algo que os internautas devem ficar atentos, há ainda empresas conservadoras e que as pessoas podem imaginar um estilo de pessoa que talvez você não seja. Evitem publicar indiretas, textos que denigram a imagem de alguém, cuidado com os comentários no perfil alheio, até mesmo a curtida. Analise bem antes de curtir. Não utilize as redes sociais para ficar se lamentando. O bom senso é sempre bem-vindo. Você pode usar as redes sociais como ponto de equilíbrio, postando informações que possam ajudar a outras pessoas promovendo conhecimento e animo”, destaca.

Lucas comenta ainda que alguns cuidados podem ser tomados para preservar sua imagem nas redes sociais e melhorar a network. “Faça das redes sociais o que você tanto deseja para si, publique pensando sobre a perspectiva do outro, com foco no que as pessoas gostariam de visualizar e que você gostaria de ver nos outros perfis. Nunca esqueçam que as redes sociais são ótimas ferramentas para comunicação e network, mas, se não são bem administradas, podem levar a prejuízos como o risco de perder o emprego. Exemplo desses cuidados pode ser citado foto em família, ou até mesmo informações financeiras. Pense sempre no impacto que aquela publicação vai gerar na vida do outro. Devo ou não publicar determinada foto? Tal texto vai me expor a situações que podem me prejudicar posteriormente? Lembre-se sempre de que você é uma marca, não importa a quantidade de likes ou seguidores, sim. Você é uma marca como as que você compra de roupa, sapato ou até aparelho eletrônico. Pense sempre: quero ser visto como um propagador de ideias positivas que gerem algo transformador na vida do outro”, elucida.

Na roupa

Não é só nas redes sociais que a imagem pessoal pode afetar a vida de um indivíduo, o modo de se vestir também causa uma impressão positiva ou negativa de uma pessoa.

Ingrid Seeman, jornalista e consultora de imagem e estilo

A Jornalista e Consultora de Imagem e Estilo Ingrid Seeman explica um pouco sobre como a roupa pode traduzir uma imagem. “A imagem pessoal diz muito sobre quem nós somos. Ela expressa o nosso interior, nossa imagem é um mix de nossos gostos, costumes, carreira profissional, vida pessoal, estilo de vida. A roupa pode ser um sinalizador para várias coisas, como, por exemplo, sua personalidade, seu trabalho etc. Por isso devemos ter muito cuidado quando nos vestimos para trabalhar, às vezes a roupa pode passar a imagem errada do que você realmente é”, conta.

A consultora de imagem e estilo comenta que as roupas causam uma impressão visual que pode afetar até na contratação de um emprego. “Temos 15 segundos para causar uma boa impressão, a impressão visual, obviamente que nosso desempenho não é medido só pela roupa, mas essa conta muito, eu diria que 50%. Já vi uma entrevista de uma profissional de RH, falando que numa determinada seleção para uma vaga de emprego, dois candidatos ficaram empatados por sua competência, e o desempate se deu na maneira como estavam vestidos, e na maneira de se portar também. Então vale a atenção com sua imagem pessoal”, destaca.

Ingrid salienta que existem momentos para poder demonstrar o estilo, mas que há locais que existe um dress code. “A roupa, é você quem vai decidir o que quer usar, porém não devemos esquecer que no âmbito profissional há o decoro, ou seja, nada de decote, fendas, jeans muito rasgados, camiseta regata, entre outras peças que são próprias para os momentos de lazer. Regra básica: roupa de trabalho é roupa de trabalho. Você está vendendo sua imagem, portento evite exageros, e o bom senso sempre presente”, explica.

Previous Turistas assaltados na Praia do Saco, em Sergipe
Next Socorro inicia cadastramento presencial do 'Minha Casa, Minha Vida'