Curso técnico: qualificação em menos tempo


(Foto: Divulgação/Pronatec)

Quem faz esse tipo de curso, além de melhorar o seu currículo, também tem mais chances de conseguir um emprego

Os cursos técnicos são uma excelente forma de se qualificar, mas com um tempo e um custo mais baixos do que um curso de graduação. Hoje, universidades, escolas e institutos oferecem cursos nas mais diversas áreas e por diferentes valores. Por sair com uma especialização, quem faz esse tipo de curso, além de melhorar o seu currículo, também tem mais chances de conseguir um emprego.

“Além da duração (os cursos técnicos são mais rápidos), os alunos tendem a sair mais preparados para executar as atividades organizacionais, pois, em geral, nos cursos técnicos há mais atividades práticas, o que possibilita uma maior noção da aplicabilidade dos conteúdos estudados, bem como uma vivência que auxilia na formação profissional dos alunos”, comenta Tatiane Böhmer, professora do Instituto Federal de Sergipe (IFS).

Elisa Ribeiro, técnica em enfermagem

A técnica em enfermagem Elisa Ribeiro buscou o curso porque queria um retorno mais rápido e que não tivesse um custo tão alto quanto um curso superior. “Optei pelo curso técnico quando decidi que precisava fazer algo da vida que me desse um retorno ‘rápido’, mas que, ao mesmo tempo, não tivesse um curso tão alto quanto o de uma faculdade”, lembra.

Durante dois anos ela fez o curso de técnica em enfermagem, uma área que possui muita demanda de trabalho e possibilita que o profissional se especialize em uma determinada área em que ele possua mais afinidade e interesse.

CAPACITAÇÃO CONTÍNUA

Segundo a professora Tatiane Böhmer, o curso técnico permite que o aluno mude de vida e já entre no mercado de trabalho com condições de exercer sua profissão, mas a capacitação profissional deve ser contínua.

“Os alunos já saem para o mercado de trabalho em condições de exercerem suas profissões, mas vale lembrar que o desenvolvimento pessoal e profissional deve ser contínuo e os profissionais devem estar sempre buscando mais conhecimento, pois assim, seu grau de empregabilidade e trabalhabilidade permanecerão sempre altos”, comenta.

A seguir, parte da entrevista concedida pela professora Tatiane Heinemann Böhmer, do Instituto Federal de Sergipe.

Tatiane Böhmer, professora do IFS

Como professora, quais diferenças você aponta entre um curso técnico e a graduação?

Tatiane Böhmer- Além da duração (os cursos técnicos são mais rápidos), os alunos tendem a sair mais preparados para executar as atividades organizacionais, pois, em geral, nos cursos técnicos há mais atividades práticas, o que possibilita uma maior noção da aplicabilidade dos conteúdos estudados, bem como uma vivência que auxilia na formação profissional dos alunos.

Com o curso técnico, o aluno sai capacitado para exercer uma profissão ou ele precisa fazer algum curso complementar?

Os alunos já saem para o mercado de trabalho em condições de exercerem suas profissões, mas vale lembrar que o desenvolvimento pessoal e profissional deve ser contínuo e os profissionais devem estar sempre buscando mais conhecimento, pois, assim, seu grau de empregabilidade e trabalhabilidade permanecerão sempre altos.

Em sala de aula os alunos falam com a senhora sobre o porquê de procurarem o curso técnico ao invés de uma graduação?

Muitos buscam nos cursos técnicos possibilidades de mudança de vida. Nem todos têm acesso a uma graduação, ou então, simplesmente buscam uma nova profissão a fim de uma recolocação no mercado. Já outros, tipo aqueles que já atuam ou possuem algum negócio, buscam ampliar seus horizontes de forma rápida e efetiva.

Quais os principais benefícios de um curso técnico para o currículo de alguém que não possui qualificação superior? Torna-se mais fácil entrar no mercado de trabalho?

Ao realizar um curso técnico, as pessoas ampliam suas possibilidades de empregabilidade, tanto no quesito quantidade quanto na qualidade, já que melhores posições querem profissionais que possuam competências, habilidades e atitudes específicas, para que, assim, possam contribuir para o crescimento da organização e vice-versa.

Previous Projeção de instituições financeiras para inflação fica em 3,85%
Next SEED, cadê os 300 milhões do transporte escolar?