Grupo de multinacionais recebe licenças para iniciar exploração em águas profundas de Sergipe


ASN

Anúncio põem fim a uma espera de mais de 10 anos no estado

A ExxonMobil iniciou nesta quarta-feira (27) o licenciamento de 11 poços exploratórios em áreas das 13ª, 14ª e 15ª rodadas de licitação da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), quando a empresa adquiriu a operação dos blocos SEAL-M-351, SEAL-M-428, SEAL-M-430, SEAL-M-501, SEAL-M-503, SEAL-M-573. O poço mais perto da costa está a 67 km da cidade de Brejo Grande, em Sergipe, segundo informa o editor-chefe da Agência E&P Brasil, o jornalista Felipe Maciel em matéria desta quinta-feira (28) para o portal. Ainda de acordo com a publicação, há poucos dias, a Petrobras também recebeu licença do Ibama para instalar navio-plataforma para testar a descoberta de Farfan, na área do blocos exploratório BM-SEAL-11, em águas profundas da Bacia de Sergipe-Alagoas. As duas liberações dão início as processos para exploração de petróleo em bacias de aguas profundas em Sergipe em Sergipe.

De acordo com o assessor de Políticas de Desenvolvimento do Estado, Oliveira Júnior, os anúncios põem fim a uma espera de mais de 10 anos em Sergipe, impostas, sobretudo, pelas dificuldades do processo ambiental legal. “São duas grandes exploradoras de petróleo que, quase simultaneamente, conseguiram as licenças para exploração em águas profundas na nossa costa, concretizando esse tipo de exploração em nosso estado. Sergipe ganha com os possíveis royalties frutos dessa exploração futura, assim como, economicamente, com o fortalecimento da indústria de petróleo em Sergipe e de toda a cadeia produtiva do gás e petróleo”, afirmou Oliveira Júnior.

O secretário de Estado do Desenvolvimento Econômico e da Ciência e Tecnologia (Sedetec), José Augusto Carvalho, explicou que além dos direitos exploratórios das áreas, o estado deve se beneficiar com a atração de novas indústrias na área. “Especificamente, esses poços, tanto da Petrobras, quanto da ExxonMobil ficam em Sergipe, ou seja, os royalties devem vir para o estado. E com o inicio das explorações outras empresa também devem chegar ao estado para oferecer suporte ou insumos a elas. A Exxonl já esteve em Sergipe no ano passado. Reunimos-nos e, na ocasião, a empresa fez um levantamento de informações do estado e sobre possíveis parceiros de negócios. Tudo isso representa um grande marco econômico na história do estado”, enfatizou.

Fonte: ASN

Previous Retomando atividades, fábrica de vidro gera 180 empregos em Sergipe
Next MEC envia novo texto às escolas suspendendo orientação sobre filmagens