Em Brasília, governo de Sergipe discute novo cenário do gás natural


Divulgação

Membros do governo estiveram com representantes de mais seis estados em reunião do Comitê de Promoção da Concorrência do Mercado de Gás Natural no Brasil

O gás natural desponta em Sergipe como uma das mais promissoras oportunidades para o desenvolvimento do estado nos próximos anos. Entendendo a importância deste combustível, o governo do Estado, por meio do secretário de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia, José Augusto Carvalho, e do assessor técnico Marcelo Menezes, esteve nesta quinta-feira (30), em Brasília, para uma reunião do Comitê de Promoção da Concorrência do Mercado de Gás Natural no Brasil.

O Comitê foi criado pelo governo federal para apresentar soluções à abertura do mercado de gás natural. Além de Sergipe, também foram convidados representantes dos estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Espírito Santo, Rio Grande do Sul e Pernambuco, com o intuito de discutir alternativas para o desenvolvimento do setor, sugerindo propostas que destravem pendências entre os Estados e a União com relação à comercialização do energético.

Durante a reunião, os representantes de Sergipe lembraram aos presentes sobre as recentes descobertas em águas profundas e o quanto isso representará para o estado. “Está prevista a entrada em operação, a partir de 2023, de poços dos blocos exploratórios em águas profundas operados pela Petrobras, destacando-se os de Moita Bonita, Barra e Farfan, blocos oriundos da 6ª Rodada de Licitações, que representarão um marco para o desenvolvimento do estado”, disse o secretário José Augusto Carvalho.

Ele destacou ainda a movimentação que está sendo realizada pelo governo de Sergipe para atrair empresas que venham a consumir esse gás no próprio estado. “Estamos muito interessados em participar desse novo mercado do gás, e dispostos a criar mecanismos que atraiam empresas para se instalarem em áreas próximas à Unidade de Processamento de Gás Natural a ser implantada pela Petrobras. Teríamos um gás com custo de produção mais baixo, já que a distância dos campos para o litoral é bem menor que em Campos/RJ e Santos/SP, por exemplo”, completou o secretário. 

Os representantes do ministério ficaram entusiasmados com os encaminhamentos que estão sendo adotados pelo governo de Sergipe acerca do tema. Estiveram presentes na reunião o secretário executivo adjunto do Ministério de Minas e Energia, Bruno Eustáquio de Carvalho; o coordenador-geral de Infraestrutura de Gás Natural da Secretaria de Petróleo e Gás Natural, Aldo Barroso Cores Júnior; e o subsecretário de Energia, do MInistério da Economia, Leandro Caixeta Moreira.

Visita à Abrace

Além da reunião na Secretaria de Petróleo e Gás, os representantes de Sergipe aproveitaram a oportunidade para fazer uma visita à Associação dos Grandes Consumidores de Energia e Consumidores Livres (Abrace), que é uma das associações mais antigas do setor elétrico e que advoga pelos consumidores e pela importância da energia para o desenvolvimento do setor produtivo no Brasil. 

A associação reúne mais de 50 grupos empresariais responsáveis por quase 40% do consumo de energia elétrica do Brasil e 42% do consumo de gás natural, em  mais de 800 unidades de consumo mapeadas em 25 estados brasileiros. A associação conta com a presença de diversos setores industriais como mineração, siderurgia, alumínio, petroquímica, papel e celulose, vidros, cloro-soda, têxtil, automobilístico, alimentício, gases industriais, ferro-ligas e cimento, entre outros.

“A visita à Abrace teve como objetivo estreitar as relações entre Sergipe e esta instituição tão importante no cenário de energia e gás natural do país”, explica o assessor técnico Marcelo Menezes. Acompanharam a visita o diretor técnico da ABRACE, Felipe Soares, e o coordenador de gás natural, Adrianno Lorenzo.

Fonte: ASN


Previous Órgão do governo de Minas nega chegada de rejeitos ao São Francisco
Next