Governo eleva para US$ 56,7 bi previsão de superávit comercial no ano


FILE PHOTO: Shipping containers, including one labelled "China Shipping," are stacked at the Paul W. Conley Container Terminal in Boston, Massachusetts, U.S., May 9, 2018. REUTERS/Brian Snyder/File Photo

A equipe econômica elevou para US$ 56,7 bilhões a previsão de superávit da balança comercial para este ano. Revista a cada três meses, a estimativa foi divulgada hoje (1º) pelo Ministério da Economia.

Até o mês passado, o governo estimava que a balança comercial – diferença entre exportações e importações – encerraria o ano em US$ 50,1 bilhões. A alta no saldo, no entanto, não decorrerá da melhoria das vendas externas, mas porque as exportações e as importações cairão em relação às projeções originais.

Segundo a Secretaria Especial de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais do Ministério da Economia, as exportações deverão encerrar o ano com queda de 2% em relação ao valor exportado em 2018. As importações, em contrapartida, deverão cair 1,9%.

Em relação às exportações, o motivo é o desaquecimento do comércio global e a queda de preços em algumas commodities (bens primários com cotação internacional). As importações deverão cair por causa da lentidão na recuperação da economia brasileira.

“A expectativa de comércio internacional brasileiro não é extraordinária não apenas por causa do quadro geral da economia brasileira, de recuperação lenta, mas também por causa do panorama global. A economia global terá um crescimento ainda mais baixo decorrente do enfraquecimento das relações de comércio internacional. O Brasil, naturalmente, sofre consequências disso”, disse o secretário de Comércio Exterior do Ministério da Economia, Lucas Ferraz.

A estimativa sobre as importações também foi afetada porque, no segundo semestre do ano passado, o Brasil importou US$ 8 bilhões em quatro plataformas de petróleo. Como as importações não se repetirão neste ano, a base de comparação ficou estimulada. Excluindo as operações com as plataformas, as compras externas encerrariam este ano em alta.

Ao longo desta década, o Brasil exportou plataformas de petróleo para subsidiárias de estatais no exterior, mas os equipamentos nem sequer chegaram a sair do país. Esse tipo de operação é amparado pelas normas de comércio internacional. Por causa do novo regime especial de tributação para o setor de petróleo, que entrou em vigor no ano passado, o país teve de reimportar essas plataformas, com impacto na balança comercial.

Previous NAT abre inscrições para 124 vagas para quatro cursos nesta segunda
Next Cartilha orienta sobre criação de Fundo do Idoso