COLUNA CINFORMANDO Sobre a crise do turismo em Sergipe


Edvar Freire Caetano

Nesta edição 1900 do Cinform, que circula na internet desde ontem (Site: cinform_a nova era) temos uma vigorosa reportagem da jornalista Paula Coutinho, do quadro deste semanário, em que põe a nu uma situação preocupante para a harmonia do serviço público que é prestado pelo Estado de Sergipe à sociedade.

Uma verdadeira fortuna, algo em torno de R$30 milhões de reais, foi consumida sob a forma de contratação de consultoria, embora alguns técnicos de reconhecida competência já tenham afirmado, neste mesmo semanário, que, sob o nome de “consultoria” as investigações ajuntem, equivocadamente, diversos outros tipos de serviço.

Contudo, seja qual for o objeto de contratação é imprescindível que ocorram, para cada ação: planejamento, execução, acompanhamento, medição, controle e prestação de contas. Ao que parece, esses requisitos estão pendentes ao todo ou em parte nos contratos que estão mencionados na reportagem, que foram direcionados para algumas empresas e pessoas físicas beneficiadas, uma delas havendo recebido, sozinha, mais de R$15 milhões de reais.

A Lei Geral das Licitações, a já famosa e envelhecida 8.666, estabelece que os serviços de consultoria são dispensáveis de licitação, o que tem favorecido escorregadias contratações no âmbito do serviço público.

Entretanto, técnicos especializados, do corpo jurídico e/ou contábil dos órgãos de controle e das cortes de contas, conseguem visualizar muitos dos vícios contumazes nesse tipo tão repetido de contratação, quando se percebem sinais inequívocos de intenção e ação para desvio de recursos do erário.

Outrossim, mesmo que se proceda a um certame licitatório, aparentemente sério, tipo pregão eletrônico, por exemplo, no severo controle da execução do projeto deve-se acompanhar, minuciosamente, toda e qualquer atividade e/ou ação objeto de contratações desse tipo, com medição e aferição dos resultados. Isso é obrigação explícita para o contratante, e não é um mero “fiscal do contrato”, nomeado sem qualquer qualificação e à revelia, apenas para fazer cumprir, ou fraudar a Lei, que vai livrar o ordenador de despesas de sua responsabilidade maior.

Claro que, obedecendo ao princípio do direito ao contraditório, a Secretaria de Estado de Turismo e a Empresa Sergipana de Turismo têm contas a prestar aos órgãos fiscalizadores, para que fique evidenciada a lisura de todos os procedimentos adotados pelos últimos governadores do Estado, cada um respondendo, como é justo, pelo seu período no mandato.

Enquanto isso não ocorre, a população fica refletindo acerca da origem da permanente crise no setor de turismo em Sergipe. 

Previous Superexposição pode destruir carreiras sólidas, diz empresário
Next Curso livre sobre 'Massagem Tântrica' será realizado em Aracaju